2018, dominado

Começou o ano e trouxe um presente para este blogue iniciado em 2016, o vaidoso domínio alfredoferreiro.com. E lembrando textos deixados à deriva na rede, ofereço hoje um poema que tinha esquecido num velho blogue coletivo intitulado A fábriga da preguiça:

Canção para o início do ano

Para tod@s vós

Empregamos as artes do […]

Torneiro e Adonis

Alfonso Pexegueiro e Ming Di

“Metal Central” de Alfredo Ferreiro: Núcleos animados

«Ás veces, ouvimos os estertores das máquinas máis vellas, os supiros de bielas permanentemente fatigadas, a sádica sede de bombas agonizantes. As máquinas que por fin un día paran parecen voltar ao paraíso pesado e duro da vida mineral.

Posiblemente este fermoso poema, que aparece en Metal Central, sexa ilustrativo dos camiños abertos […]

Lembrança da professora de literatura

A vida consiste em sucessivas mutações do amor

A Maria Díaz Vidal, in memoriam

Ó Maria, acho menos as tuas coxas carregadas de poesia, teus lábios de vénus aloirada e teus quadris para sempre rimados no meu coração. Teus andares sinestésicos forneciam a métrica semanal do tambor literário que ardia no […]